terça-feira, 27 de março de 2012

Chaves para a leitura do Apocalipse

Chaves para a leitura do Apocalipse

 Texto Áureo - “Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou e as notificou a João seu servo”. Ap 1.1

Verdade Aplicada - O Apocalipse é um livro aberto, cheio de símbolos, profecias, juízos e condenações, mas re­levante, majestoso e apoteótico.

Objetivos da Lição

►      Introduzir de modo provei­toso e prazeroso o estudo do Apocalipse.
      Oferecer informação à identi­ficação correta de personagens e fatos do Apocalipse.
      Corrigir possíveis erros de interpretação.

 Textos de Referência

 Ap 1.3        Bem-aventurado aque­le que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guar­dam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.
Ap 1.12      E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro;
Ap 1.13      E, no meio dos sete castiçais, um semelhante ao Filho do Homem, vestido até os pés de uma veste comprida e cingido pelo peito com um cinto de ouro.
Ap 1.14      E a sua cabeça e ca­belos eram brancos como lã branca, como a neve, e os olhos, como chama de fogo;
Ap 1.15      E os seus pés, seme­lhantes a latão reluzente, como se tivesse sido refinado numa fornalha; e a sua voz, como a voz de muitas águas.
Ap 1.16      E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece.
 Ajuda Versículos

Prólogo 1:1-8

A Relevância do Apocalipse

 “Sobe para aqui”, diz-lhe a misteriosa voz (Ap 4:1); e João é transportado para dentro de regiões tão estranhas e remotas que muitos cris­tãos hesitam em explorá-las com ele. Os evangelhos e as cartas são ter­ritórios mais familiares e mais acessíveis. Será que este extraordiná­rio livro do fim da Bíblia, pertencente (em mais de um sentido) a um mundo inteiramente diferente, tem algo a ver com o pragmatismo de vida do século XXI?

 Desde o princípio, no entanto, o livro do Apocalipse afirma ter sido escrito para o benefício, não de uma minoria da igreja, mas de todos; e não para a sua própria época somente, mas para a igreja em todas as épocas. Como todo o resto da Bíblia, o Apocalipse fala hoje.

 A Relevância do Título

 Os dois volumes de história escritos por Lucas (o Evangelho e Atos dos Apóstolos) foram escritos para uma pessoa chamada Teófilo (Lc 1:3; At 1:1). Apesar disso, não temos nenhuma dúvida de que o que foi escrito para Teófilo é para leitores de qualquer época. As cartas de Paulo foram escritas especificamente a grupos de cristãos espalha­dos pelo Império Romano. Entendemos que o que o apóstolo escre­veu a eles se aplica igualmente a nós. Todos os escritos do novo Tes­tamento foram destinados especificamente para os cristãos do primei­ro século, mas não hesitamos em aceitar sua relevância para os cris­tãos modernos. Ora, se agimos assim a respeito dos livros que foram escritos especificamente para pessoas ou grupos de pessoas, quanto mais as partes do Novo Testamento que foram escritas especificamente para os cristãos em geral!

 O título (Ap 1:1-3) diz que o livro do Apocalipse é desse tipo. É a revelação de Jesus Cristo, dada por Deus aos seus servos. Se eu sou um dos que servem ao Senhor, então este livro é para mim, ape­sar do conteúdo me parecer irrelevante à primeira vista. É necessário perseverar na leitura para que eu venha a alcançar a bênção prometi­da pelo autor (1:3).

 A Relevância da Saudação

 Apesar de no título João indicar que a sua mensagem é para os ser­vos de Cristo em geral, na dedicatória (1:4-8) ele diz estar escreven­do em particular para as sete igrejas na Ásia. O que João envia àque­las igrejas é algo mais do que as breves cartas contidas nos capítulos 2 e 3. O livro inteiro é a carta e na frase final do livro aparecem as pa­lavras de despedida (22:21). Assim, tanto a frase do título “aos seus servos” como a frase da dedicatória “às sete igrejas que se encontram na Ásia” referem-se ao livro do Apocalipse como um todo. O que João escreve em forma de carta a um grupo de igrejas do primeiro século é de fato uma mensagem a todos os cristãos sem distinção. O princí­pio e o fim do Apocalipse colocam-no na mesma categoria das car­tas de Pedro e de Paulo, de Tiago e de Judas, escritas, a princípio, em função de situações enfrentadas pela igreja primitiva, mas que conti­nham verdades apostólicas que, na intenção de Deus, deveriam ser­vir à igreja em todas as épocas. O Apocalipse não é um mero apêndi­ce à coleção de cartas que constituem a parte central do Novo Testa­mento. É, na realidade, a última e a mais grandiosa de todas essas car­tas. O Apocalipse é tão abrangedor quanto Romanos, tão glorioso quanto Efésios, tão prático quanto Tiago e Filemon, e tão relevante para o mundo moderno quanto qualquer uma delas.

 A Relevância da Cena de Abertura

 Vamos agora deixar de lado o título e a dedicatória (1:1-8) e vamos roubar uma prévia da primeira cena do grande drama onde vemos o Cristo vivo (ressurreto) ditando a João as cartas para as sete igrejas. A igreja em Pérgamo ele diz: “Tenho, todavia, contra ti algumas coi­sas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão... ” (2:14).

A igreja em Tiatira ele diz: “Tenho, porém, contra ti o tolerares que esta mulher, Jezabel.... ” (2:20). Vejamos o que podemos aprender des­ses versículos.

Foi no tempo de Moisés, provavelmente no século XIII a.C., que Balaão iludiu o povo de Deus com um ensino falso. Em Pérgamo, 1.300 anos mais tarde, encontramos o mesmo falso ensino iludindo novamente o povo de Deus. Foi no nono século a.C. que Jezabel, esposa do rei Aca­be, causou semelhante confusão no meio do povo de Israel. Novecen­tos anos mais tarde encontramos, em Tiatira, não somente os ensinos de Jezabel, mas a sua própria pessoa uma vez mais em evidência.

É evidente que Cristo não está falando da reencarnação de Je­zabel, mas sim da repetição de um modelo. A história bíblica está re­pleta de repetições desse tipo. Assim, por exemplo, a pregação de Je­sus repete as circunstâncias da pregação de Jonas (Mt 12:39ss), e o erguimento do filho do homem sobre a cruz repete o levantamento da serpente de bronze por Moisés (Jo 3:14). Da mesma forma João Ba­tista não somente relembra, mas em certo sentido é o profeta Elias que viveu séculos antes (Mt 11:14).

A carta aos Hebreus, cuja raiz está no Antigo Testamento, apre­senta muitos outros exemplos. A mensagem de Deus, que veio com urgência através da boca de Davi, dizendo: “hoje, se ouvirdes a sua voz.... ”, era uma mensagem tão urgente para os cristãos hebreus que a ouviram mil anos depois de Davi, como havia sido para os contem­porâneos de Moisés que a ouviram trezentos anos antes de Davi (Hb 3:7—4:10). Adentrando mais no passado verificamos que o juramen­to feito por Deus a Abraão tem para nós o mesmo valor e força que teve para Abraão (Hb 6:13-18). E voltando ao mais remoto ponto da história humana vemos Abel expressar sua fé no sacrifício que ofere­ceu a Deus, e que mesmo hoje “depois de morto, ainda fala” (Hb 11:4). Assim como em todas as gerações a má influência de Balaão e Jeza­bel pode reaparecer, Deus também, em sua misericórdia, repete cons­tantemente as grandes verdades da salvação; como o profeta disse, elas “renovam-se a cada manhã” (Lm 3:23).

Precisamos, então, dar pleno significado ao tempo presente dos verbos a que acabamos de nos referir. A urgência de Hebreus 3:7, que pode ser traduzida “o Espírito Santo está dizendo: ‘hoje...se ouvirdes a sua voz’” pode ser comparada à frase sete vezes repetida em Apoca­lipse 2 e 3, que poderíamos traduzir de maneira semelhante: “ouvi o que o Espírito Santo está dizendo às igrejas”. O que temos em Apoca­lipse 2 e 3 é uma reafirmação de certas verdades do mundo espiritual, tão reais nos dias de João como haviam sido nos dias de Jezabel, e não menos relevantes para nós hoje. A promessa de bênção, no princípio e no fim do Apocalipse (1:3; 22:7) é para todos aqueles que leem, ou­vem e guardam as palavras desta profecia, sem distinção de tempo.

 Uma Consequência Importante

Se é, de fato, assim, chegamos então a uma conclusão de certa importância.
Antes mesmo de chegar ao segundo versículo do primeiro capí­tulo, defrontamo-nos com três questões importantes que há tempo vêm exercitando a mente dos críticos e comentaristas. O nome Apocalip­se (apokalypsis, no grego) não somente nos diz que é uma revelação de grandes verdades acerca de Jesus Cristo, mas também vincula o li­vro a um tipo particular de literatura judaica chamada “literatura apocalíptica”.

A pergunta que se segue em função desta relação é: Até que ponto João pretendia que o seu livro fosse lido como sendo uma lite­ratura apocalíptica? E, por causa disso, quanto é necessário conhecer sobre a literatura apocalíptica para que se possa entender o Apo­calipse de João? A segunda questão é o próprio João. Será ele, de fa­to, João, o apóstolo, o filho de Zebedeu, o mesmo que escreveu o evan­gelho e as três cartas, ou será que esta visão tradicional dos fatos é vul­nerável, o que significa que o autor poderia ter sido outra pessoa, mas com o mesmo nome e com a mesma autoridade. A terceira questão é pertinente aos “servos” a quem o livro é endereçado. É evidente que poderíamos entender melhor o livro se pudéssemos saber exatamen­te quem são os servos e quais as circunstâncias e necessidades às quais João estava se dirigindo.

 O fato de que questões como essas foram tratadas de forma su­mária na introdução não quer dizer que não sejam importantes; mas faz-se necessária uma advertência. Quando o leitor se depara com algo que lhe parece obscuro no livro do Apocalipse, ele pode ser levado a pensar: “se eu tão somente tivesse um conhecimento mais profundo da literatura judaica, ou da história romana, ou da filosofia grega, es­ses mistérios estariam esclarecidos”. Tenho certeza de que isso é ilu­sório. Pois o número de servos do Senhor equipados com este tipo de conhecimento será sempre relativamente pequeno porque “não foram chamados muitos sábios” (1 Co 1:26), e a mensagem do Apocalipse, como já vimos, é endereçada a todos os servos do Senhor sem distin­ção. O valor principal do livro deve ser, portanto, de tal espécie que mesmo os cristãos sem grande cultura possam tirar proveito.

 Este fato não deprecia o valor da pesquisa bíblica e, muito me­nos, exalta o anti-intelectualismo; o estudo das Escrituras exige o uso máximo possível da mente do cristão. Mas é para reafirmar que o requisitado mais importante para o entendimento destes grandes mistérios é um conhecimento, como o que o próprio João tinha da palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo (Ap 1:2 e 9). Para a maio­ria dos que resolveram estudar o Apocalipse de João, aquela Palavra e aquele Testemunho foram a única fonte de iluminação: a Bíblia nas mãos, e o Espírito Santo no coração. É mantendo este foco de ilumi­nação no centro do caminho a ser percorrido, em vez de utilizar-se da pequena luz que os estudos críticos lançam sobre o escuro, é que “quem quer que por ele caminhe não errará, nem mesmo o louco” (Is 35:8).

 O Título (1:1-3)

 Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer, e que ele, enviando por intermédio do seu anjo, notificou ao seu servo João, 2o qual atestou a palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo, quanto a tudo o que viu.3 Bem-aventurados aqueles que leem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as coisas nela escritas, pois o tempo está próximo.

 Esta não é a revelação de João: ele é apenas o repórter, mas é do Senhor Jesus Cristo; e mesmo Jesus não é a fonte desta revelação, pois, como podemos ver muitas vezes no Evangelho de João, o Senhor Je­sus recebe-a do Pai. Mesmo passando por cinco estágios de transmis­são: do Pai para o Filho, do Filho para o anjo, do anjo para o escri­tor e daí para os leitores, a revelação é apresentada claramente como a “palavra de Deus e o testemunho de Jesus”. Esta última frase des­creve o que estava para ser mostrado a João na ilha de Patmos.

Já no versículo 9, onde a frase “a palavra de Deus e o testemunho de Jesus” ocorrem novamente, não se faz referência ao que João veria, mas ao porquê de ter sido isolado na ilha. João já ouvira Deus falar e já ti­nha visto e ouvido Cristo dar testemunho da veracidade das palavras de Deus. Ele não negaria esta sua experiência cristã, nem poderia fazê-lo, e por isso foi enviado para o exílio. Agora João receberia novamente a palavra e o testemunho, uma mensagem genuína da parte de Deus que no tempo devido deveria ser lida em voz alta nos cultos, como ou­tras porções das Escrituras (v.3). Esta revelação, em certo sentido, não traria nenhuma novidade, simplesmente seria uma recapitulação da fé cristã que João já possuía. Esta seria, porém, a última vez que Deus repetiria os padrões da verdade e o faria utilizando-se de um po­der devastador e um indescritível esplendor.

Esses versículos desencorajam as visões “futuristas” do Apoca­lipse. Com certeza o livro trata de muitas coisas que ainda jazem no futuro. Mas note-se que a João foram mostradas “as coisas que em breve devem acontecer”. Esta última frase é emprestada da literatura apocalíptica pré-cristã e sutilmente modificada por João. A revelação dada a Daniel consistia no que haveria de acontecer nos últimos dias (Dn 2:28). A igreja primitiva acreditava que o início da era cristã e o princípio dos últimos dias, mencionados por Daniel, aconteceram simultaneamente (At 2:16ss; 3:24). É verdade que a palavra “breve” pode ser traduzida pela expressão “de repente” e dessa forma poder-se-ia argumentar que os eventos profetizados por João, quando começassem a acontecer, se sucederiam rapidamente, mas que poderiam co­meçar a acontecer só muito depois dos dias de João. De acordo com este ponto de vista, a maior parte do Apocalipse não estaria cumpri­da até o dia de hoje. Mas o versículo, como é apresentado, não se re­fere a um tempo futuro muito distante. Quando nos deparamos com a frase de Daniel “o que há de acontecer nos últimos dias “mudada por João para “as coisas que em breve devem acontecer” logo enten­demos qual é a intenção de João. Sua intenção é mostrar que os eventos preditos para um futuro distante por Daniel devem agora, nos dias de João, acontecer em breve. Neste contexto podemos entender melhor a expressão “o tempo está próximo” (v.3).

Tempo para quê?, poderíamos perguntar. Tempo para o início do fim e dos eventos a ele relacionados? Tempo para o início de uma longa série de acontecimentos que eventualmente anunciarão o fim do mun­do? Tempo para alguma tribulação imediata ou perseguição que será um tipo de presságio do fim? Não é dito a João, de imediato, a que a expressão se refere.

 Mas é digno de nota o que Daniel tinha em mente quando falou dos eventos que haveriam de ocorrer nos últimos dias. A profecia de Daniel estava baseada em um sonho de Nabucodonozor no qual ha­via sido mostrado ao rei, em forma de uma grande estátua, a suces­são dos impérios mundiais, começando com o seu. De acordo com a profecia, nos dias do último daqueles impérios mundiais “o Deus do céu suscitará um reino que não será jamais destruído” (Dn 2:44).

 E João viu a chegada dos últimos dias. O estabelecimento do rei­no de Deus foi iniciado com a vinda de Cristo, e a promessa feita por Daniel de que “este reino não passará para outro povo: esmiuçará e consumirá todos estes reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre” (Dn 2:44), começou também a ser cumprida.

O cumprimento de pro­fecias é um processo e não algo que vem de imediato; é um processo muitas vezes prolongado, não súbito, como podemos observar ape­sar dos eventos, que levam ao clímax, moverem-se bastante rápido. O processo que leva ao clímax ocupa toda a era da pregação do Evan­gelho, indo da inauguração do reino (Ap 12:10) até o seu triunfo fi­nal (Ap 11:15). Se o que Daniel previu para os últimos dias é o que o anjo está trazendo para João, então o tempo está, de fato, próximo. Ao chegar a carta aos destinatários, nas igrejas da Ásia, eles poderão afirmar que “estas coisas estão, de fato, acontecendo agora”. É esta característica imediata dos escritos de João que sempre cativou os lei­tores mais dedicados. Portanto, o Apocalipse pode revelar, hoje, no sé­culo XXI, a realidade presente do conflito existente entre o reino des­te mundo e o reino do nosso Senhor.

 A Dedicatória (1:4-8)

 João, às sete igrejas que se encontram na Ásia: Graça e paz a vós ou­tros, da parte daquele que é, que era e que há de vir, da parte dos sete Espíritos que se acham diante do seu trono, 5e da parte de Jesus Cris­to, a fiel testemunha, o primogênito dos mortos, e o soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados, 6e nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém. 7Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Certamente. Amém. 8Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso.

 Pelo menos dez igrejas haviam sido estabelecidas na província da Ásia quando João escreveu o Apocalipse, portanto deve ter havido alguma razão para que ele escolhesse sete delas. Por agora queremos simplesmente apontar o fato de que o número de igrejas às quais João se diri­giu (cujo significado simbólico será considerado mais adiante ainda em ebdareiabranca.com), bem como a ordem na qual elas são apresentadas (que, ao que tudo indica, parece ser mais uma questão de simetria de estilo do que de geografia) parecem indicar que a mensagem é para a igreja em geral.

 João abre a sua dedicatória com um tipo de saudação que pode ser encontrado na maioria das cartas no Novo Testamento. Pelo fato de dirigir-se a um público bastante grande, sua descrição dos remeten­tes é bastante impressionante. Graça e paz vêm, neste caso, do Deus triuno e cada uma das pessoas da trindade é mencionada por sua vez.

 A descrição de Deus, o pai, que relembra o nome divino dado a Moisés em Êxodo 3:14, demonstra a particularidade de certa porção da linguagem utilizada por João. A gramática do versículo 4 foi sua­vizada na versão ERAB. O que João verdadeiramente escreveu no gre­go seria o seguinte em português: “Graça e paz da parte de ele que é... Será que realmente João deveria ter usado “de ele” em vez de “dele” ou “daquele”? É possível que João estivesse vendo Deus como alguém que é sempre “ele”, o único sujeito de todas as sentenças, que gover­na todo o conteúdo do que está escrito, não sendo “ele” mesmo con­trolado por nada. Nem mesmo pelas leis gramaticais. Encontramos no Apocalipse muitas declarações, muito mais explícitas do que es­ta, do que o escritor da carta aos Hebreus chamou de “a imutabilida­de do seu propósito” (Hb 6:17).

De qualquer forma os erros grama­ticais do Apocalipse estão somente na superfície, e podem ser resul­tado da impressionante sequência de visões que o escritor teve. No fun­do, os erros gramaticais são perfeitamente coerentes com a verdade e formam uma peculiar gramática do espírito.

Aliás, o Espírito que está diante do trono, o centro da trindade, e que conhece as profundezas de Deus (1 
Co 2: 10ss), é mencionado a seguir. A visão de João o levará para dentro do santuário celestial, do qual o tabernáculo no deserto era uma cópia e uma sombra (Hb 8:5). E talvez a ordem de apresentação da trindade de um modo pouco costumeiro (Pai, Espírito Santo, Filho) corresponda ao plano do san­tuário terrestre em que a arca no santo dos santos representa o trono de Deus; o castiçal de sete hastes no lugar santo representa o Espírito Santo; e no átrio frontal ficava o altar de bronze com os sacerdotes e sacrifícios, ambos representantes do trabalho redentor de Cristo.

Se a descrição do Pai contém um dos primeiros solecismos da par­te de João, a descrição do Espírito Santo contém um dos primeiros mistérios. “Sete espíritos” — seria esta uma expressão para representar o Espírito na sua natureza essencial, da mesma forma como as sete igrejas representam a única e verdadeira igreja? Ou será que eles repre­sentam o Espírito igualmente presente em cada uma das igrejas? (Ver 5:6). 

Ou será que representam os sete dons do Espírito apresentados em Isaías 11:2? Não sabemos com certeza. Todavia somos avisados de antemão que as chaves que abrem certas portas do Apocalipse são de difícil acesso.

Deus, o Filho, recebe uma descrição mais completa. As raízes da descrição encontram-se no Salmo 89:27,37 e a passagem apresenta o triplo ministério de Jesus como profeta, sacerdote e rei. Com Cris­to a trindade chega à terra e a teologia (v.5) torna-se louvor (vs.5b e 6). Jesus Cristo é o profeta que veio ao mundo para dar testemunho do evangelho da salvação. Apesar da palavra testemunho ser a pala­vra grega martis, o pensamento básico não está relacionado à morte de Cristo e, sim, ao testemunho que ele dá. A vinda de Cristo é uma amável deferência da parte dele para conosco.

Ele é o Sacerdote que se ofereceu a si mesmo e que morreu para depois ressuscitar, não so­mente para si, mas para todos os filhos de Deus. Ter sido lavado no seu sangue (ERC) é uma metáfora bíblica aceitável encontrada, por exemplo, em 7:14; mas a ERAB diz: “pelo seu sangue nos libertou”, tradução que não somente tem uma melhor sustentação nos manuscritos originais, como ainda associa o nosso texto aos acontecimen­tos descritos no livro de Êxodo, tais como a morte do cordeiro pascal e a redenção de Israel do jugo egípcio. No Calvário foi efetuada uma redenção muito mais abrangente.

E seus benefícios são para nós. Agora o Senhor é exaltado como Rei dos reis, e da mesma forma como Is­rael foi libertado da escravidão para se tornar um reino de sacerdotes (Êx 19:6; Ap 5:9-10), é dada a nós a oportunidade de compartilhar do reinado do Senhor. Um dia o Senhor voltará, como ele mesmo afir­mou. Aliás, foi o próprio Senhor, e não João, que primeiro juntou esta dupla figura profética que envolve as nuvens e a lamentação das tri­bos da terra associadas à sua segunda vinda (Dn 7:13; Zc 12:10; Mt 24:30). Aqueles que o traspassaram irão reconhecê-lo e lamentarão a oportunidade perdida de salvação. Mas seu próprio povo estará a esperá-lo, sabendo que ele é o “Alfa e o Ômega”, o princípio e o fim de todas as coisas. E assim o trabalho do Senhor estará terminado.

Este é o Deus Todo-poderoso que está enviando graça e paz a nós, seus servos, na longa carta que se segue. Graça e paz em vez de per­plexidade e confusão é o que promete o Senhor a todos que com es­pírito confiante o procurarem para serem abençoados. O Apocalipse é um verdadeiro drama. Depois do título e da dedicatória que formam o prólogo, as cortinas são abertas e o drama começa.


Elaboração pelo:- Evangelista Isaias Silva de Jesus

Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério Belém Em Dourados – MS

Lições bíblicas BETEL 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário